6 dicas para a construção de uma memória afetiva saudável

memória afetiva

Muitos já devem ter ouvido falar que nas coisas simples da vida moram os estímulos da nossa felicidade. Essa simplicidade é muito associada a situações passadas, aquelas que fazem parte da memória afetiva de cada um. Por isso, é importante ter total atenção na construção dela no crescimento do seu filho.

É na infância que as memórias são construídas e os valores que adquirimos se tornam verdadeiros pilares da formação do caráter. Assim, é necessário que essas lembranças remetam a algo saudável e que inspirem a pessoa a criar forças, sempre que precisar, na criança interior que estará eternamente dentro dela.

Neste post, você vai ver quais atitudes podem ser tomadas para agir de maneira construtiva nesse aprimoramento. Por isso, continue até o final deste artigo e entenda os benefícios que esse cuidado traz para a vida adulta do pequeno. Boa leitura!

1. Demonstrar carinho

É muito importante que o seu filho se sinta amado e que ele saiba que terá um suporte sempre que precisar, principalmente, nas pequenas situações que ele enfrenta na vida. O desenvolvimento infantil é caracterizado por várias fases e, até os seis anos, a criança ainda é muito dependente dos pais. Por isso, é interessante que a família demonstre o afeto em diversas ocasiões.

Por exemplo, quando ele faz uma pintura e presenteia você, na conclusão de uma tarefa de casa, ao atingir boas notas no colégio e em outros momentos de apoio. Ao vibrar de alegria com ele, estímulos são direcionados para que acredite que o esforço feito valeu a pena. Essa atitude o incentiva a continuar na conquista de mais resultados positivos.

O carinho de outras pessoas também deve ser percebido pela criança. No decorrer da nossa existência, acabamos por conhecer gente em diversos ciclos sociais que frequentamos, desde a escola, a faculdade, até grupos de estudos ou de interesses pessoais em comum. É provável que elas carreguem a mesma consideração pelo seu pequeno, devido ao laço afetivo já fortalecido com o tempo.

Por isso, converse com ele e diga o quanto cada pessoa apresentada tem um papel imprescindível. Esse diálogo o inspirará a criar laços fortes ao longo do seu crescimento e a formar uma boa memória afetiva.

2. Fazer refeições em família

Reunir todos à mesa para uma boa refeição é, de fato, um dos momentos mais especiais do dia. As comidas também são a grande base da nossa memória afetiva. Afinal, as experiências sensoriais, que procuram estimular nossos cinco sentidos, nos trazem uma impressão de conforto e confiança. Consequentemente, elas costumam nos marcar de alguma forma.

Para sempre preservar essas ocasiões, procure envolver as crianças em algumas tarefas. A culinária infantil inspira os pequenos e faz com que eles se sintam importantes no resultado de um bom prato de comida. Nas conversas, opte por assuntos alegres e divertidos, uma tática que os deixa confortáveis e à vontade para falar mais livremente.

3. Ser presente

Participar da vida do filho não envolve apenas as obrigações com a escola, as refeições e as tarefas de casa. É necessário estar presente em momentos de descontração e diversão, para que ele possa ver os pais como grandes amigos. Esse papel faz com que uma relação saudável seja formada, fazendo parte de sua memória afetiva.

Portanto, procure brincar em família e, nas escolhas, sempre opte por atividades que estimulem a criatividade. Por exemplo, ler o mesmo livro que ele e depois fazer uma interpretação do que foi aprendido com a história, brincadeiras de colorir para estimular o desenvolvimento cognitivo dele ou ver filmes com uma temática marcante, que traz lições valiosas.

4. Compartilhar seu dia

Quando assiste filmes em família ou participa de outra programação cultural em conjunto, a criança se sente à vontade e acaba por conquistar uma proximidade maior com os pais. A partir do momento em que ela se solta, procure fortalecer esse vínculo com conversas diárias. Uma ótima forma é dialogar como foi o dia de cada um.

Nessa experiência de troca, ambos poderão perceber o modo como cada um lida com situações corriqueiras, como o convívio social, a maneira de enxergar ou de agir em determinada situação. Esse cuidado faz com que ele saiba ter empatia e respeito com a sociedade que o cerca.

5. Demonstrar apoio

É natural que, em determinadas situações, a criança se sinta insegura ou sem saber como agir. Vivemos em uma diversidade e nem todos pensam e agem da mesma forma. É necessário que, desde pequenos, eles saibam respeitar e conquistar o respeito dos outros.

Esse incentivo fica guardado na memória afetiva deles e os motivará a ter ações mais certeiras no futuro. Os exemplos dos pais são considerados por toda vida e o alicerce formado em uma relação saudável dá conforto e certeza de sempre ter atos sábios e íntegros. Portanto, mostre disponibilidade para ajudar e dar a apoio em qualquer momento que a criança precisar.

6. Evitar que os problemas transpareçam

O amor sempre deve prevalecer em uma relação, principalmente, no laço de afeto entre pais e filhos. A paciência, a vontade de ajudar e o apoio incondicional são características muito marcantes e que ficarão guardados na memória afetiva deles. A família é o grande exemplo de união afetuosa e, desde pequenos, eles precisam formar esse ideal.

É natural que problemas aconteçam ao longo do caminho, mas eles ajudam a fortalecer e quando superados motivam a ver o mundo de uma maneira positiva . Afinal, é por meio do aprendizado que todos amadurecem. No entanto, uma criança não compreenderá isso de primeira.

Portanto, procure não transparecer um problema, resolva de maneira prática e pacífica. Assim, eles perceberão que tudo tem solução e que desafios poderão ser resolvidos com um bom diálogo, sem exaltações ou atitudes rudes, que até poderão chocar o pequeno.

Você viu algumas dicas que ajudarão os pais a favorecer o processo de criação de memória afetiva da criança. Que tal levar o que foi dito em consideração e ajudar na formação de um bom cidadão no futuro?

Compartilhe este artigo nas suas redes sociais! Você pode ajudar outras pessoas a ter relações saudáveis e afetuosas com os filhos!

Notícias relacionadas