Plano de aula para EAD: 7 dicas de foco na experiência das crianças

plano de aula para ead

O período de aulas remotas é bastante desafiador para estudantes e educadores. Uma das dificuldades enfrentadas é pensar em como dar as aulas, que podem ser inspiradas por um plano de aula para EAD, já que elas acontecem de maneira diferente da modalidade presencial.

Apesar de ser um período de incertezas, em que as mudanças acontecem muito rápido e todos continuam precisando se adaptar, é importante que as aulas sejam planejadas cuidadosamente para que ofereçam uma boa experiência para as crianças.

Nesse sentido, é possível elaborar um plano de aula que mantenha a produtividade e a eficiência, a fim de deixar os alunos envolvidos. É preciso ter cuidado para que eles consigam compreender a matéria e não fiquem dispersos.

Por isso, preparamos 7 dicas para a elaboração do plano de aula. Continue a leitura e confira!

1. Flexibilize o plano de aula

Quando se elabora um plano de aula, o professor tem em mente o tempo que os alunos estarão em sala para realizarem as atividades. Isso muda no modelo virtual, já que fica mais difícil exigir que as crianças passem várias horas do seu dia em frente à tela acompanhando as explicações.

Por isso, o tempo de aula foi adaptado por muitas escolas, o que foi regulamentado pela Medida Provisória n.º 934 de 2020. Assim, fica válida a regra que os professores já estão familiarizados para a elaboração dos planejamentos, que é ter clareza sobre o objetivo daquela aula.

Dessa maneira, é preciso adaptar a realização para que possa ser feita em casa, com materiais simples e, se possível, com a ajuda da família. Considere o tempo que demandará cada atividade e a sua complexidade.

2. Aposte na ludicidade do dia a dia

O lúdico é essencial para a educação infantil e tem papel importante para o fundamental I. Assim, é um recurso nas aulas remotas que ajuda a manter o interesse dos estudantes e facilita o aprendizado.

Para isso, o educador pode aproveitar os elementos do cotidiano das crianças nas aulas. É importante, por exemplo, criar atividades com coisas que os alunos tenham em casa.

É possível fazer teatro com talheres, brinquedos com rolos de papel higiênico, jogos musicais com latas e garrafas pet. Isso incentiva a imaginação e a arte na educação infantil.

No ensino fundamental, a dica é usar esses elementos para aprender a matéria. Na matemática, por exemplo, é possível exercitar o cálculo observando os gastos domésticos. Os alimentos servem para compreender formas, peso e volume.

3. Dê atenção exclusiva aos alunos

Ao elaborar um plano de aula para o ensino remoto, é preciso considerar quais são as atividades que podem ser feitas pelas crianças com a ajuda da família e quando é necessário o acompanhamento do professor.

Os encontros ao vivo são ótimos para manter a socialização e o contato com colegas, além de ajudarem na hora de tirar dúvidas. A gravação de vídeos também é uma boa alternativa para flexibilizar os estudos e permitir que a família se adapte.

Apesar de ser difícil, é necessário disponibilizar algum tempo de atenção exclusiva também para o caso de algum aluno ter dificuldades específicas. Para que isso não pese na rotina do professor, é possível ter um horário reservado para o contato individual, que poderá ser solicitado caso a criança sinta a necessidade ou o professor perceba alguma demanda.

4. Garanta a acessibilidade e inclusão

Os educadores devem se atentar para que o ensino remoto não reforce as desigualdades. Dessa forma, é fundamental observar as demandas específicas dos alunos para que todos tenham o seu direito à educação garantido.

Caso nem toda a turma tenha acesso à Internet, vale recomendar à escola a busca por alternativas, como a transmissão por televisão ou rádio, também usadas durante esse período de isolamento social em alguns municípios. A distribuição de materiais impressos também é uma alternativa para conduzir as atividades. A empatia em relação ao tempo e os recursos de cada criança são essenciais para a educação inclusiva e a valorização da experiência do aluno, especialmente em um momento tão incomum.

5. Utilize REA e compartilhe ideias

Os materiais disponíveis nos Recursos Educacionais Abertos (REA) são de domínio público e permitem a adaptação de conteúdos em diferentes mídias, gratuita e legalmente.

No site Creative Commons BR, as pessoas podem encontrar e compartilhar conteúdos, em uma plataforma colaborativa que beneficia a educação e facilita o trabalho dos professores.

É um caminho para encontrar conteúdos que favoreçam a inclusão, ajudem no aprendizado e melhorem o rendimento dos estudantes. Para isso, o papel do professor é muito importante, pois ele é o responsável por selecionar e adaptar os recursos para a turma.

6. Peça feedbacks constantes

A melhor forma de saber se as aulas estão sendo produtivas e respeitando o tempo das crianças é com uma boa comunicação entre alunos e professores.

Estar em constante contato com as crianças, os pais e a comunidade para saber sobre a adaptação e as estratégias pedagógicas durante a pandemia é um modo de aprimorar constantemente o trabalho.

A virtualização das aulas de maneira emergencial faz com que educadores e estudantes tenham que se reinventar para que o ensino seja mantido. Ainda que se busque recursos nos planos de aula para EAD, a aprendizagem segue uma metodologia diferente, ainda nova.

7. Não tenha medo de mudar

Como vimos, os feedbacks são fundamentais para construir aulas cada vez melhores. Para que eles realmente ajudem, é importante que os professores não tenham medo de mudar ao perceberem que uma estratégia não está funcionando bem ou que existem alternativas melhores.

O trabalho precisa acontecer em parceria com a família, a comunidade, as crianças e os colegas de trabalho. Esse é um exercício de cuidado e de dedicação para aprender novos métodos de fazer a educação acontecer.

Assim, é comum que haja dificuldades e inseguranças nessa fase, porém, não existe problema em experimentar e mudar as formas de dar aula. O plano de aula para EAD pode contribuir muito com o aprendizado e com o bem-estar das crianças durante esse período difícil.

Confira também as 5 dicas para deixar o ensino a distância mais leve e melhorar a experiência de alunos e professores.

Notícias relacionadas